sábado, 31 de dezembro de 2016

1666


1. Histórias Com Tempo e Lugar : Prosa de Autores Austríacos (1900-1938) (Europa-América; 1980?)
2. Ho99o9 (Milhoes de Festa 2016) {foto}
3. Amir El-Saffar : Crisis (Pi; 2015)
4. Frantz Fanon : Os condenados da terra (Letra Livre; 2015)
5. Umberto Eco : O Pêndulo de Foucault (Difer; 1989)
6. Heta-Uma / Mangaro (Le Dernier Cri + MIAM; 2015)
7. Clipping : CLPPNG (Sub Pop; 2014)
8. Franky et Nicole, vol. 3 (Les Requins Marteaux; 2015)
9. Zeal and Ardor : Devil is fine (Reflections)
10. Jonathan Lethem : The ecstasy of influence : a plagiarism mosaic in Sound Unbound de Paul D. Miller (MIT; 2008)
11. Balani Show Super Hits - Electronic Street Parties From Mali (Sahel Sounds; 2014)
12. David Collier : Chimo (Conundrum; 2011)
13. Posy Simmonds : Gemma Bovary (Pantheon; 1999)
14. DJ Balli (Damas + Disgraça; 10-11 Março) + Apocalypso Disco (Agenzia X; 2013) + Frankenstein Goes to Holocaust (Agenzia X)
15. Timothy Leary : Chaos & Cyberculture (Ronin; 1994)
16. Edgar PêraO Espectador Espantado (Bando à Parte)

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Negative Born Killers na Stress FM


Eis o podcast da "gracinha" transmitida por rádio em linha Stress FM - e "à antiga" na linha de Cascais através da sede da SMUP (Parede) em o 88.3 - no passado dia 5 de Dezembro.

Voltei a fazer a graçinha que fiz no dia 4 Maio no Republica Caffe Bar em Viana do Castelo, ou seja recriar a banda sonora de Negative Born Killers! Livrinho de BD inserido na colecção O Filme da Minha Vida da Associação Ao Norte que lança o repto a autores portugueses de BD para criarem um mini-álbum inspirado num filme que tenha deixado marcas nas suas vidas.

Como sabem, a minha escolha recaiu sobre o Natural Born Killers de Oliver Stone, não pelo filme mas pela banda sonora criada por Trent Reznor (dos Nine Inch Nails). Assim sendo fiz um set a tentar invocar a narrativa sonora criada por Reznor mas sem as mesmas músicas. Porquê? Porque não tenho os mesmos discos nem os diálogos do filme. Nesta caótica sessão houve música de Nusrat Fateh Ali Khan, Diamanda Galas, Human League, Scott Walker, Soul Warrior Lard e muitos outros... convence?

domingo, 25 de dezembro de 2016

Kim Gordon : "A miúda da banda" (Bertrand; 2016)

Gordon é uma ex-libris de uma geração "alternativa" graças a fundação dos Sonic Youth, banda que partilhava com o seu ex-marido Thurston Moore. Juntos eram vistos como um casal de sonho ou modelo para quem acharia impossível nos séculos XX e XXI ter dois artistas íntegros a fazerem as caretices como casar e ter filhos (só tiveram uma criança, calma) mas mantendo uma banda de Rock que era "do contra". O divórcio de ambos foi uma pedra no charco para muitos, quase tão chocante como o tiro na cabeça de Kurt Cobain em 1994.

O livro apesar de ser muito abrangente devido à vida rica de experiências de Gordon, acaba ter algo de ressabiado e de lavagem de roupa suja mesmo que Gordon escreva com elegância e energia suficiente para não estarmos a ler um romance de cordel ou livro de escândalos dos famosos mas é verdade que Moore aparece mesmo como um teenager idiota no que diz à crise e final da sua relação com Gordon. Para uma banda de cinquentões a chamarem-se ainda de "Youth" ele deveria levar isso muito a sério, pelos vistos...

O livro é bem melhor do que parece depois disto dito, é uma biografia que vai desde a infância até aos dias pós-divórcio e final da banda, tendo Gordon tiradas certeiras sobre uma série de temas como o casamento, maternidade, espectáculo e arte no mundo do Rock ou ainda da história ou evolução da música Rock. Algumas vezes cândida outras vezes agressiva (mas sem ser bruta nem burra), a escrita de Gordon parece-se as oscilações e texturas da música dos Sonic Youth, o que se calhar mostra que a banda era mais dela do que dos outros...

sábado, 17 de dezembro de 2016

Okupa Montijo


A noite no Montijo é tão excitante que até num bar semi-vazio há cadeiras no chão - sem razão para tal e sem ninguém em preocupar-se em levantá-las! Dois produtores culturais comemoram esse acontecimento com esta fotografia.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

André Costa : "As aventuras subjetivas de Björk" (ed. autor; 2014)


Não há artista Pop que mais fascine que a Björk - só mesmo os Die Antwoord para competir com ela - dado ao seu estatuto de estrela mundial sem que exponha a bundinha por tudo e por nada como as porcas das Madonnas & Britney Spears. Mais que uma cantora ou música, ela é uma artista mutante e com conteúdo. É natural que apareçam leituras sobre ela, como o caso deste livro brasileiro que faz uma actualização à dissertação de mestrado As aventuras subjetivas de Björk: da emergência de novas subjetividades no universo pop contemporâneo defendida em 2003 na Faculdade de Comunicação da Universidade do Brasil.

Feita uma actualização dos 10 anos de carreira da artista não contemplados pelo trabalho original de André Costa, este deve ter tido gozo em colaborar com a artista visual Adriana Peliano e o projecto gráfico de Maurício Chades para construir um livro manipulável com surpresas inesperadas, fazendo jus à carreira da islandesa. À primeira vista o livro é sem dúvida uma pérola, como se tivesse descido num pedaço de gelo lá da ilha com a bença da Santa B. Uma capa recortada, imagens-postais inseridas entre folhas, vários tipos de papeis e um texto paginado de forma pouco canónica - lê-se primeiro as primeiras páginas, salta-se lá mais para a frente do livro e como um "split-book" continua-se a leitura virando o livro. Sem dúvida a melhor forma de homenagear a sofisticação de Björk.

No entanto, o que temos é mais um texto académico a brincar com o fascínio pelo mundo Pop. Não é o pior texto que já li do género, dá até bastantes referências filosóficas e pensamentos sobre o ambiente da música para quem for curioso mas é aquela escrita que baralha e volta a baralhar em discurso circular para que o leitor comum não se sinta à vontade ou aprenda ideias de forma clara. Constata-se o óbvio, na Academia não há ideias só constatações do óbvio. O livro não é uma biografia da artistas mas uma análise sobre o seu trabalho. Interessante mas péssimo para ler na cama...

As fotografias que ao principio dá-nos estímulo para comprar o livro revelam-se tão monótonas como a tese, sempre imagens de uma boneca cheia de ambiente bling bling infantil e onírico, tornando-se um cliché na terceira foto desvendada. Pior que isso é que imagética imposta recusa a hipótese de ter uma visão análoga de Björk para além de uma bonequinha vintage no País das Maravilhas quando a tese afirma que ela é muito mais do que isso (como bem sabemos): teen punk islandesa emigrada, inocente cosmopolita, princezinha regressada, mulher artista exploratória, mãe colaborativa, divorciada politizada, pedagoga vanguardista, fora todos os avatares que vai criando ou irá criar ainda. Aqui ficamos com a sensação que ela sempre será uma boneca islandesa, pior, um objecto e não uma pessoa. Preguiça intelectual paga-se com preguiça estética.

Por fim, o design do livro é uma boa experiência com "o que um livro pode" para além de ter uma arranjo gráfico super-legível - convenhamos que o texto também não é assim tão grande, o que facilita o design. Faltam mais imagens dos materiais björkianos (capas dos discos, frames dos vídeos, fotos promocionais) para ilustrar melhor o texto, senão temos de estar com o computador aberto para ir acompanhando o que o texto analisa.

Não sendo um seguidor desta artista, sabia que estava a adquirir, um livro giro para ter ideias para futuras edições que venha a fazer. Obrigado, nesse caso.

Para os fãs portugueses assanhados, o livro foi comprado durante o super-porreiro evento Zinefest Pt mas creio que podem pedir à Montra Graphics.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Maximum Rock'n'Roll

A MRR é um dos fanzines punk mais emblemáticos e resistentes (existe desde 1982!!) vindos dos EUA. No entanto por vir da terra dos porcos imperialistas não significa que registe a cena nacional apenas, muito antes pelo contrário o que não faltam são artigos desde o México à Dinamarca, de Espanha ao Brasil.
A parte dos discos será a que menos me interessa porque já recebo as minhas doses homeopáticas de Rock. Embora a MRR passe muito pela música (música que tenha bateria e voz senão não entra!) também tem muitas colunas de opinião em que se discute política, prostituição, queercore, vivências, livros, filmes e arte. E até BD! Sobre o caso Mike Diana, os ataques de extrema-direita ao Le Dernier Cri, sobre Nathan Ward, Ben Passmore ou a editora Silver Procket. Os números recentes que adquiri eram números especiais, um sobre fanzines (o que eles tem a dizer depois do mundo web 0.2) e sobre "arte punk" - o que é isso?
Zeus! Mexer neste zine faz-me pensar o que aconteceu à imprensa portuguesa que deixou de existir - se isto for indício de velhice, admito que sim, meu, não era mesmo fixe pegar três em três meses um novo número da Mondo Bizarre e mais ainda da Underworld / Entulho Informativo!? De resto, o que temos de imprensa musical? Nada, só blogues feios e redacções homofóbicas como as da revista Blitz, Diário de Notícias, Expresso, Público e I - digo isto porque todas receberam exemplares do livro do Queercore e ignoraram-no, o Público que sempre escreveu sobre os livros do Rui Eduardo Paes, desta vez fechou-se nas suas copas... Pelos vistos, tem de ser como "no antigamente" (antes dos anos 90), é preciso comprar publicações estrangeiros para matar o marasmo editorial!

A hamburgeria vegetariana / discoteca Black Mamba (do Porto) distribui este fanzine em Portugal. É ir lá comer um "punkburger" e comprar o último número da MRR... é uma boa desculpa para ir ao Porto-cada-vez-mais-parecido-com-Lisboa-que-nojo! [à parte, numa recente visita ao Porto vi um grafito pintado a azul que dizia "Lisboa" apenas...] 

Greñudos locos del Porto! Brujeria te va joder tu ojo del culito!


Ontem houve Brujeria em Lisboa e hoje há no Porto... Aconselha-se ir ver, é um bom show!!! Vi-os há 10 anos em Madrid e se por um lado estão mais "cartoonescos" por outro a presença do vocalista loco Pinche Peach torna tudo mais energético. Pocho Aztlan (Nuclear Blast; 2016), novo álbum 16 anos depois do último de originais, quase nem é tocado porque eles sabem que é azeite artificial... A banda tende para ser uma espécie de "Ramones do Grind narco-satânico", mais caricatura de si mesma do que exploradora da estética zapatista que os tipificou e mitificou quando apareceram - nesse mundo sem web 0.2.
Em Lisboa, como há malta fixe ao contrário do que se pensa, até apareceu pelo concerto o número 5 do fanzine de BD Olho do Cu que tem uma capa fabulosa... bom, é apenas um olho do cu realmente mas está impresso com umas cores impecáveis. Fuerza Sandro!

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

web .2 tone

Não há nome para esta nova música  Clipping  excitante como   #Stealing Orchestra ou   #Dälek  novos territórios  Hip hop serve de base  CLPPNG de 2014 pela   Sub Pop   exemplo   video-clips   #Whitehouse goes MTV  coros infantis  único R'n'B aceitável com alarme do despertador com o único R'n'B aceitável no Universo  berbequim Techno Tarantino    #John Cage shit  Trap mutante  Noise para as massas  how high is your low brow? Razia!  Random Music mas com  atitude   O Cage foi à disco engatar

Culpados disto tudo  se calhar  Death Grips que desde cedo com o seu segundo álbum (ou primeiro oficial?)  The Money Store   (Epic; 2012)   mostraram que seriam sempre  rock híbrido - chama-se a isso de   punk rock  ? o feeling é esse mesmo que já não se possa meter o mofo da bateria + guitarra + baixo + voz   isto é rock ciborgue  electrónica rapada  para mim é impossível dizer o que soa   Eu Juro!  já ouvi este CD   mil vezes   e sempre quando ele acaba   ainda não percebi o que se passou  o que ouvi  o que aconteceu  é como ouvir a primeira vez o Last Rights dos #Skinny Puppy  ou  Beers, Steers and Queers dos #Revolting Cocks   Rembradt Pussyhorse dos #Butthole Surfers  não é todos os dias que isto acontece ...  Punk weight!



PS  O   2 tone   era nome para um   Ska   não racista em que o ponto de honra era ter uma banda que tivesse elementos branquelas e negros  Clipping e Death Grips  sabendo das cores de peles dos seus elementos   (como se na verdade isso importasse para uma coisa - bom, na Amérikkka  importa pelos vistos)  parece isso   um 2 tone para um mundo de Trampa  mergulhado na   deep web

espera

há mais


foram os Ho99o9 que fazem Hardcore melhor que a malta do Hardcore e agora apareceu Zeal And Ardor... WTF!?  Imaginem o coninhas do Moby a fazer Black Metal   essa seria a melhor ilustração para este disco Devil is Fine (Reflections; 2016)  música de escravos americanos a cantarem Blues ou Gospel invertido, ou seja, a louvor de Satanás Nosso Senhor invés ao Porco Nazareno   Devil is fine (o primeiro tema) abre-nos o coração, não não são samplers como o triste do Moby a voz é verdadeira  In ashes arrebenta com os primeiros Blasts de Black Metal e ficamos confusos  claro  e mais ficaremos com intermezzos de electrónica  que tanto podem ser Trip Hop ou caixa de música de criança  como gamanço de arabescos à Çuta Kebab & Party   ou What Is A Killer Like You Gonna Do Here? é uma pequena intervenção Tom Waits    Children's summon parece o sonso do  Gonza Sufi mas com Black Metal
sempre isso "mas com Black Metal"   o idiota do José Luís Peixoto escreveu há 10 anos um artigo qualquer a dizer que o Black Metal nunca seria popular pela sua violência - já na altura o que ele escrevia era errado porque bastava entrar no metro de Berlim e ter bem presentes outdoors do último disco de #Dimmu Borgir

bute fazer petição para virem ao Milhões!? God good is a dead one